25 de abr de 2011

ACESSIBILIDADE como OPORTUNIDADE para EMPREENDEDORES

Empreender é uma arte que exige, dentre tantas outras características, foco nas metas e olho nas oportunidades! Assim, todo empreendedor deve manter-se atento às tendências e oportunidades que o mercado apresenta.

A ACESSIBILIDADE é o conjunto de condições necessárias para que qualquer pessoa, em especial as pessoas com deficiência ou com redução em sua mobilidade, possam utilizar, com segurança e autonomia, qualquer espaço público ou privado.

Observando o mercado, é fácil perceber as inúmeras dificuldades enfrentadas por essas pessoas no dia a dia. Falta visão empreendedora? Talvez...

O mais recente censo do IBGE, por exemplo, constatou que 15% da população brasileira possui algum tipo de deficiência. Um mercado carente de soluções e opções em todas as áreas.

A realidade é que poucos empreendedores conseguiram perceber que, através da ACESSIBILIDADE, há um amplo mercado a ser explorado, sendo possível ampliar seus resultados. Esta oportunidade pode ser explorada de uma forma até simples, através de ações que tornem seu empreendimento acessível, com rampas de acesso, banheiros adaptados, vagas de estacionamento, dentre outras soluções. Apesar de obrigatório por lei, nem todos os estabelecimentos cumprem esta determinação, abrindo espaço para os que cumprem, criando seu diferencial no mercado. Basta divulgar!

Além disso, é possível aproveitar as oportunidades de forma mais direcionada, como o desenvolvimento de soluções específicas para esse público. Recentemente, em 2010, uma Feira do Empreendedor promovida pelo Sebrae no Rio Grande do Norte, apresentou produtos e serviços voltados para pessoas com deficiência. Entre os produtos apresentados estavam "cadeiras anfíbias", que permitem que cadeirantes tenham acesso à praia, além de raquetes de frescobol e pranchas adaptadas para cadeirantes.

As pessoas com deficiência possuem necessidades como qualquer outra, porém de forma adaptada. Então, abrindo ainda mais esse leque, é possível perceber que é justamente nessa adaptação que a acessibilidade se apresenta como uma grande tendência de negócios para um mercado pouco explorado, mas que possui vasto horizonte a ser desbravado. Pense nas necessidades de talheres adaptados, opções para transporte, acesso a computadores e Internet, dentre muitas outras necessidades do dia a dia.

Todo esse investimento, sobretudo, demonstra às pessoas que a empresa tem “Responsabilidade Social”. Porém, aos mais céticos, com foco somente em números e resultados, saibam que o Empreendedorismo pode surgir por duas diferentes formas de motivação:

1) Empreendedorismo por NECESSIDADE, normalmente motivado pela falta de alternativa satisfatória de ocupação e renda, onde a pessoa resolve iniciar um negócio que atenda sua necessidade pessoal e familiar, focado exclusivamente em alguma habilidade pessoal, como costurar ou cozinhar, por exemplo.

2) Empreendedorismo por OPORTUNIDADE, motivado pela percepção de um nicho de mercado, de necessidades não satisfeitas, de problemas enfrentados pelas pessoas. Com base nas informações deste mercado, o empreendedor percebe a OPORTUNIDADE e prepara-se para oferecer reais soluções que atendam a esta demanda.

Então reflita: melhor abrir um empreendimento só olhando para a minha necessidade, pedindo "por favor" para que alguém compre meu produto e/ou serviço, ou focar nas reais OPORTUNIDADES que o mercado está mostrando?

O foco nas grandes e reais OPORTUNIDADES do mercado pode ser seu grande diferencial. E a ACESSIBILIDADE se apresenta como uma grande OPORTUNIDADE para EMPREENDEDORES. Busque informações, estude, planeje-se, aproveite a oportunidade e desfrute dos RE$ULTADO$!


Por: Marco Aurélio Boza
Administrador, Empresário, COACH Empresarial, Facilitador do Programa EMPRETEC (Sebrae/ONU), Consultor de Finanças Pessoais.
Twitter: @MarcoBoza


5 comentários:

  1. Olá, bela postagem, parabéns ao Marco Boza por disseminar neste blog sua vocação em esclarecer e incentivar o mercado. Bom, o Brasil já deve ter ultrapassado, tranquilamente, o número dos 24,4 milhões de pessoas com deficiência registrado no censo 2000. Sabemos que as PcDs ainda não encontram muitas oportunidades no mercado e que isso acaba refletindo na visão dos empresários de que a classe não tem condições de desfrutar dos seus serviços. É fato. Mas sabemos, também, que a maioria das pessoas com deficiência tem uma ou mais pessoas ligadas a ela. Então, porque a ACESSIBILIDADE não é ainda enxergada com OPORTUNIDADE de explorar um nicho potencial de mercado? Quando o empreendedor começar a proporcionar meios para todas as pessoas usufruírem dos seus serviços e equipamentos, ele estará cumprindo com sua responsabilidade social e desfrutando de consumidores EFETIVOS e FIÉIS como qualquer outra demanda. O turismo, por exemplo, deve visualizar as Olimpíadas e a Para-olimpíada, consequentemente, porque não? Não vai perder parte dos 13,6 bilhões de dólares que os adultos norte-americanos com deficiências gastam, vai? Some com dos outros países, com do seu país, com da sua cidade e veja que saber empreender também está em visualizar TODAS as demandas. Abraços, adorei o tema.

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pelo tema!
    Só adicionando mais um pouquinho ... empreender também é fazer diferente, antecipar-se aos fatos, implementar idéias, buscar oportunidades e principalmente a realização pessoal e o bem da sociedade!!
    E podemos dizer que para alcançar o sucesso é fazer o que gosta, é abraçar a causa e poder FAZER DIFERENTE!!
    Abraços
    Camila Caruso

    ResponderExcluir
  3. Muito bom post. É essa visão empreendedora que precisamos disceminar. O mercado para PCD tem um grande potencial que ainda não foi descoberto - a palavra chave é OPORTUNIDADE. Abçs.

    ResponderExcluir
  4. Oie Marcos!
    Nossa, quanto tempo que não te vejo... desde do tempos do EMPRETEC. Tempo prá lá de bom por sinal!
    Gostei muito do seu post falando sobre acessibilidade e oportunidades do mercado de trabalho. Sem dúvida tem um mundo a ser explorado com foco em melhorar a qualidade de vida dos 15% da população brasileira e como consequência muitos re$ultado$!
    Abraços!
    Renata Cox

    ResponderExcluir
  5. Belo texto, Boza! As pessoas com deficiência são consumidores como qualquer outro. Um empreendimento que trabalhe para essas pessoas colabora ainda mais para o processo de inclusão!
    Grande abraço!!!

    ResponderExcluir