7 de mar de 2011

Algumas calçadas de Campo Grande

Olá, Seguidores!

Organizamos uma postagem diferente para esta semana. Ao invés de visitarmos um local específico, fotografamos algumas calçadas de Campo Grande, a maioria na região central. Confiram!


Rua 13 de Maio, entre a Rua Eduardo Santos Pereira e Av. Mato Grosso

- Piso antiderrapante, porém com superfície irregular e sem continuidade, gerando trepidação na cadeira de rodas ou em um carrinho de bebê; /

- Presença de obstáculos que oferecem risco à segurança do pedestre sem sinalização tátil de alerta (telefone público, degraus, garagem);

- Segundo o Guia Prático de Construção de Calçadas de Campo Grande- MS, um dos principais problemas que atrapalham a circulação de pedestres nas calçadas são os vendedores ambulantes. Mais no fundo da foto, é possível ver o estreitamento da calçada pela presença de “barracas”;

- Presença de rebaixamento de guia, porém há desnível entre o término do rebaixamento e o leito carroçável; /

- Ausência de piso tátil direcional ou linha guia (qualquer elemento natural ou edificado que possa ser utilizado como guia de balizamento para pessoas com deficiência visual que utilizem bengala de rastreamento).


Rua 25 de Dezembro, entre as Ruas Antônio Maria Coelho e Maracaju

- Calçada não possui faixa livre com largura mínima recomendável de 1,50 m, sendo o mínimo admissível de 1,20 m (observem que há vegetação e uma parede, deixando um espaço estreito para a calçada);

- Piso antiderrapante, porém irregular, não nivelado e com pedras soltas; /

- Novamente ausência de piso tátil direcional ou linha guia em toda a extensão da calçada;

- Neste trecho, apesar de não estar ilustrado na foto, existem garagens, que não estão sinalizadas com o piso tátil de alerta e sinalização visual.


Rua 25 de Dezembro, entre a Rua Barão do Rio Branco e Av. Afonso Pena

- Presença de Sinalização Tátil Direcional instalada no sentido do deslocamento;

- A Sinalização Tátil Direcional não é cromodiferenciada em relação ao piso adjacente;

- Presença de Sinalização Tátil de Alerta (amarela), indicando a presença de garagem;

- Novamente, citando mais um problema principal que atrapalha ou até impede a circulação de pedestres pelas calçadas da cidade, segundo o Guia de Construção de Calçadas de Campo Grande, o prejuízo estético causado pela mudança do tipo de revestimento dos lotes;

- Superfície do piso antiderrapante, porém irregular (apresenta rachaduras em quase toda sua extensão). /


Rua 25 de Dezembro, entre as Ruas Maracaju e Cândido Mariano

- Calçada revestida com mosaico português, indicado no Guia Prático para a Construção de Calçadas de CG, porém o mesmo está irregular; /

- Presença de piso tátil direcional neste trecho da calçada;

- A faixa livre de circulação não está garantida em toda a extensão da calçada (observem, mais à frente, a área de vegetação estreitando a passagem);

- Ausência de piso tátil de alerta para sinalizar os vãos (buracos) onde estão as hastes verdes.


Rua 25 de Dezembro, entre a Rua Antônio Maria Coelho e Av. Mato Grosso

- Presença de piso direcional, porém a calçada apresenta irregularidades em sua superfície (rachaduras); /

- Ausência de sinalização tátil de alerta instalada perpendicularmente ao sentido de deslocamento da cesta de lixo, pois a mesma é considerada um obstáculo suspenso, já que sua parte superior tem maior volume que sua base;

- Piso de alerta tátil presente, informando mudança de desnível, porém há pedras soltas, rachaduras e o final da mudança de nível não é longitudinal, causando trepidação;

- Área de faixa livre prevista, sem obstáculos para estreitá-la.


Av. Afonso Pena esquina com a Rua 25 de Dezembro

- Piso antiderrapante, porém com superfície irregular e instável (observem rachaduras e pedras soltas); /

- Calçada com lixo jogado em área de mudança de nível (observem as sacolas embaixo da placa e uma no rebaixamento da calçada);

- Presença de piso tátil direcional em um trecho da calçada;

- Área de faixa livre para o pedestre prevista na calçada;

- Presença de rebaixamento de calçada, porém o mesmo não está junto à faixa de pedestres (observem a faixa branca acima do rebaixamento);

- Existe desnível entre o término do rebaixamento da calçada e o leito carroçável, além de um bueiro no término, o qual não deveria estar localizado em rota acessível;

- Na esquina, onde existe ângulo de mudança de direção, há composição de sinalização tátil de alerta e direcional.


Av. Afonso Pena esquina com a Rua 25 de Dezembro

- Calçada com piso antiderrapante, mas apresenta irregularidades que causam trepidação; /

- Existe rebaixamento de calçada, porém apenas um possui composição de sinalização tátil direcional e de alerta, mesmo não sendo a adequada;  /

- Tampa de caixa de inspeção está na faixa livre de pedestre, está nivelada com o piso, mas não possui superfície antiderrapante e o piso que está ao seu redor apresenta irregularidades; /

- Os dois rebaixamentos de calçada presentes nesta esquina, onde apenas um possui sinalização, apresentam desnivelamento entre o término e o leito carroçável; /

- Presença de faixa livre para circulação de pedestres, porém a mesma possui interferência de lixo e entulho (observem o canto superior esquerdo da foto); /

- Além de existir um desnivelamento entre o término do rebaixamento de calçada e o leito carroçável, existe um bueiro no final do rebaixamento sinalizado.


Av. Afonso Pena

- Faixa livre de circulação para pedestres garantida em apenas um trecho da calçada; /

- Presença de piso antiderrapante e sinalização tátil direcional, mas a superfície da calçada é irregular e trepidante;

- Calçada com acúmulo de lixo (observem no canto esquerdo da foto caixas de papelão);

- Sinalização tátil de alerta, indicando a presença de garagem, porém não há marcação visual; /

- Presença de materiais de construção e entulho na calçada (observem que a caçamba de entulho está em cima do piso tátil direcional).


Rua Alagoas esquina com a Rua Euclides da Cunha

- Calçadas, passeios e vias exclusivas de pedestres devem incorporar faixa livre com largura mínima, fato que não existe nesta calçada;

- Faixa livre com interferência de vegetação (grama, árvore, e “Coroa de Cristo”), caixa de concreto (canto inferior direito da foto);

- Piso de superfície irregular, instável e não é contínuo, tornando-se trepidante e colocando em risco a segurança dos pedestres;

- Calçada em condições precárias de execução e manutenção, com buracos, pedras e pisos soltos (a raiz da árvore, que está no canto esquerdo da foto, elevou o piso e o mesmo está rachado e com buracos);

- Ausência de rebaixamento de calçada junto à faixa de pedestres;

- Não há linha guia ou piso tátil nesta calçada, assim como não existe composição de sinalização tátil direcional e de alerta na esquina.


Bairro Manoel da Costa Lima

- Calçada com piso tátil direcional e composição de sinalização direcional e tátil de alerta na esquina;

- Rebaixamento de guia para travessia de pedestres, com sinalização tátil direcional e de alerta tátil;

- Apesar de a calçada apresentar uma faixa livre para pedestres, no canto esquerdo superior da foto há uma placa estreitando a passagem; /

- Superfície da calçada firme, regular e nivelada.

- O rebaixamento de calçada do canto esquerdo da foto apresenta desnível entre seu término e o leito carroçável.


Camelódromo

- Calçada com piso mosaico português, recomendado pelo Guia Prático para Construção de Calçadas Campo Grande, regular, nivelado e não trepidante;

- Previsão de faixa livre para pedestres, sem interferência de vegetação ou outros obstáculos;

- Rebaixamento de calçada sem composição de sinalização tátil direcional e de alerta;

- Ausência de piso tátil direcional ou linha guia.


Chácara Cachoeira

- Obra não garante área de passeio de no mínimo 1,20m sinalizada e isolada, garantindo a circulação dos pedestres;

- Não há desvio pelo leito carroçável da via, já que a circulação está totalmente obstruída, e deveria ser providenciada uma rampa provisória, com largura mínima de 1,00 m e inclinação máxima de 10%;

- Esta calçada não previu a largura mínima para faixa livre de circulação de pedestres (observem como é estreita a calçada, principalmente na esquina);

- Além dos entulhos da obra, há lixo tanto na calçada quanto no asfalto, impossibilitando a passagem de pedestres pelas duas áreas.


Mercado Municipal

- Pisos com superfície regular, firme, estável e antiderrapante, que não provoca trepidação em dispositivos com rodas (cadeiras de rodas ou carrinhos de bebê);

- Calçada não apresenta piso tátil direcional, ou linha guia perceptível por pessoas com deficiência visual;

- Presença de Spot (iluminação) no piso, o qual não possui superfície antiderrapante;

- Faixa livre de pedestres prevista, sem obstáculos ou interferências;

- No canto esquerdo da foto existe uma entrada ao mercadão, porém a mesma não apresenta sinalização tátil (como um deficiente visual poderá identificar esta entrada?).


Rua Rui Barbosa esquina com a Rua Antônio Maria Coelho

- Piso antiderrapante, mas com irregularidades e grandes desníveis (observem a altura do degrau, que ocupa um grande trecho da calçada); /

- Ausência de piso tátil direcional ou linha guia em todo o trajeto da calçada;

- Existência de mudança de nível na calçada, o que não é indicado em rotas acessíveis, além de não estar sinalizado com piso tátil de alerta (se o deficiente visual não identificar o degrau, pode ser vítima de uma queda);

- Calçada com área livre de circulação de pedestres prevista.


Rua Antônio Maria Coelho, entre as Ruas Rui Barbosa e Pedro Celestino

- Calçada com piso de superfície antiderrapante, regular e firme;

- Presença de piso tátil direcional, instalado no sentido de deslocamento;

- Previsão de faixa livre para pedestres, sem obstáculos;

- Arborização urbana, neste trecho da calçada, atende ao Guia Prático para Construção de Calçadas de Campo Grande.


Rua Bahia esquina com a Rua Manoel Inácio de Souza

- Calçada com piso antiderrapante, porém com desníveis e bueiros com grelhas sem sinalização tátil de alerta (observem que na esquina tem um desnivelamento e, antes da placa de pare, um bueiro com tampa); /

- Rebaixamento de calçada, porém sem sinalização tátil de alerta, apresentando uma sinalização visual que não define o propósito do símbolo de acessibilidade estar nesta calçada (se este local apresenta o símbolo com intuito de entrada e saída de veículos autorizados, ou até mesmo como vaga reservada, está errado, porque trânsito de veículos em área de faixa livre não é o correto); /

- Neste trecho é previsto a área de faixa livre para pedestres, sem interferência de vegetação e outros obstáculos;

- Ausência de piso tátil direcional ou linha guia instalada no sentido de deslocamento.


Rua Eduardo Santos Pereira esquina com a Rua 13 de Maio

- Calçada com piso de superfície antiderrapante, porém irregular, instável e com pedras soltas, oferecendo risco à segurança dos pedestres; /

- Ausência de rebaixamento de calçada junto à faixa de pedestres;

- Presença de obstáculo suspenso (telefone público) sem sinalização tátil de alerta;

- Não há piso tátil direcional ou linha guia, assim como falta composição de sinalização tátil de alerta e direcional para indicar mudança de direção (esquina com mudança de direção formando ângulo superior a 90°);

- Presença de uma tampa na área de faixa livre de pedestres, a qual não está absolutamente nivelada ao piso e não é antiderrapante.


Rua Edmar Costa Pinto

- Calçada com trecho de mosaico português e o restante está sem piso, com precária manutenção; /

- Superfície sem piso está desnivelada, irregular, instável e não é antiderrapante (existe exposição de raiz de árvore, lixo, pedras soltas e buracos, impondo obstáculos que impedem a circulação de pedestres);

- Devido à interferência da vegetação, não existe área mínima para a faixa livre de circulação de pedestres;

- Ausência de piso tátil direcional ou guia de balizamento sem interrupção;

- Calçada com prejuízos estéticos causados pela mudança do tipo de revestimento a cada novo lote.


Travessa Íria Loureiro Viana


- Descontinuidade de calçadas, com trechos em desníveis, saliências e rampas muito inclinadas (no fundo da foto, na calçada, há uma rampa pintada com faixas amarelas com inclinação muito forte, a qual está com a pintura para sinalizar uma garagem e não a mudança brusca de nível);

- Piso antiderrapante, porém irregular e trepidante (existência de rachaduras); /

- Interferência da vegetação e placas na faixa livre, reduzindo sua largura (observem o espaço entre esta primeira árvore de pequeno porte e a parede);

- Ausência de piso tátil direcional ou linha guia. Também não há sinalização tátil de alerta indicando a rampa que está pintada com faixas amarelas.


Rua Goiás esquina com a Rua Piratininga

- Calçada com piso antiderrapante, firme e estável, apresentando também o piso tátil direcional;

- Presença de rebaixamento de calçada na esquina, com composição de sinalização tátil direcional e de alerta;

- O término do rebaixamento de calçada, em ambos os lados da esquina, apresenta desnível com o leito carroçável;

- Calçada com previsão de largura mínima para faixa livre de pedestres, sem interferência de obstáculos, apenas no lado direito da foto, pois no canto esquerdo há um poste de luz estreitando a faixa (como um cadeirante conseguirá passar entre o poste e a parede?); /

- É dispensável, porém o poste de luz apresenta sinalização tátil de alerta;

- Calçada com entulho e lixo, prejudicando a circulação de pedestres (as madeiras estão em cima do piso tátil direcional, gerando riscos a um deficiente visual, por exemplo).


Concluindo

Estes foram apenas alguns exemplos de calçadas encontrados e relatados por nossa equipe. Novamente concluimos que a acessibilidade, de uma forma geral, é feita de muitos detalhes, sem os quais não conseguimos construir uma cidade acessível a todas as pessoas.

Não desejamos, como algumas pessoas nos dizem, desmanchar nossa cidade e construir uma nova no lugar, mas despertar nas pessoas o interesse pelo assunto, para que busquem informações antes de realizarem qualquer reforma ou construção.

Esperamos, também, que os profissionais da área (engenheiros, arquitetos, designers, mestres-de-obras e outros) busquem conhecer melhor as normas de acessibilidade, inserindo-as no seu cotidiano e tratando-as como um pré-requisito e não como um diferencial.

Abraços e até a próxima!


Por Maria Alice Furrer Matos e Frederico Rios

12 comentários:

  1. Fred e Mª Alice infelizmente estas fotos poderiam ser de qualquer cidade do país, não é?Aqui em floripa não é diferente, pior quando por exemplo, as companhias de saneamento ou de energia elétrica fazem algum reparo nas instalações, quebram as calçadas e ruas, saem, e deixam tudo bagunçado. Se para nós que não temos problemas de mobilidade já é um caos, fico imaginando para um cadeirante, idoso, cego, enfim, complicado demais. Ah e é bom vocês não se incomodarem com estas críticas negativas, o trabalho de vocês tem sido maravilhoso e de suma importância para todos. Parabéns, vou compartilhar.
    Bjs kaka

    ResponderExcluir
  2. Querido Fred e Maria Alice!

    Pelo jeito tiraram o dia para dar uma volta na cidade e registrar a realidade das nossas calçadas.Aff! Achei o pior de tudo aquela foto que a casa invade totalmente a calçada, um absurdo!
    Aqui em Floripa a situação esta longe do ideal também, mais graças a pessoas como vocês acredito que aos poucos a palavra acessibilidade vai se tornar mais comum e chegar na consciência de todos.
    Parabéns pelo lindo trabalho e por favor não de bola para as críticas, estou com vocês nesta luta! Conte comigo!
    Abraços
    Renata Cox

    ResponderExcluir
  3. Calçada sempre dá o que falar. Muitas são percursos impossíveis e impraticáveis para qualquer pessoa.. Vou filmar um simples percurso do meu condomínio em Natal para a academia que frequento, as calçadas são absurdas gente, revolta muito. e o caminho é curto. Tiveram umas calçadas que vocês foram muito gentis né? Colocaram um 'x' um "ok" quando poderiam ter colocado um X na foto inteira, piso direcional em um pedaço da calçada não é 'ok', não tenham pena, detonem isso, os cegos não andam em apenas 1 metro, ou vão ficar rodando no mesmo canto.. E a palavra "cromodiferenciada" é muito chic hein? Adoreii rssssss, tou zuando. Super indicadosss.. Beijos

    ResponderExcluir
  4. Fred,
    Tenho o maior orgulho de você!!!!! Estou feliz demais com a repercussão do blog e eu sei que tudo que você faz o que defende é com garra.
    Estou adorando e aprendendo muito com cada postagem. Você sabe de toda a minha indignação, questionamento e de querer tentar resolver as coisas erradas e sabe ainda que pode contar comigo sempre e incondicionalmente!
    Um beijo grandeeee!!!!!!

    ResponderExcluir
  5. Oi,vou te contar outra, vc acredita que recebi uma nota p mudar minha calçada de casa,pois bem tb sou cadeirante acho certo sim, mas olha só,, e a cidade como fica,nem podemos sair de casa ou essa é a questão não podemos sair de casa........Eu não entendo........bj até mais

    ResponderExcluir
  6. O Trabalho de vcs é maravilhoso!!! Que orgulho de vc Fred!

    ResponderExcluir
  7. Parabens pelo Blog. EstamMos juntos. Acessibilidade é um termo mundial e merece uma página como a sua. abraço
    Prof MSc SERGIO CASTRO
    RJ

    ResponderExcluir
  8. Oi Frederico, parabéns pelo blog. Muito importante esse seu trabalho voltado à acessibilidade. Nossa, e essa questão das calçadas é sempre de grande interesse para as pessoas que tem alguma delimitação ou não porque é sempre bom saber que todos pelo menos deveriam ter seus direitos garantidos o que não exclui os deveres de um cidadão que deveriam também ser desempenhados como tal. Já estou te seguindo e estarei acompanhando seu blog sempre que puder.

    ResponderExcluir
  9. Oi, Fred! Tudo bem amigo?? Lembra de mim?? Simoní, fizemos alguns retiros da Pastoral Universtária juntos com o Mazinho. Acessei seu blog através da Milena. Quero dizer que fiquei sabendo do seu acidente pelo mazinho após algum tempo do ocorrido e que mesmo não ido visitá-lo eu e minha família rezamos muito por vc! Parabéns pelo blog, precisamos de mais iniciativas como esta,porém que venha também do governo. Deus abençõe sua trajetória. Ano passado minha família e eu passamos por momentos muito difíceis também, mas aos poucos vamos caminhando, às vezes na cadeira de rodas como vc, pois perdi minha mãe, lembra-se dela né? Mas hj Deus me concedeu uma nova vitória: serei mamãe:D Após 1 ano e meio de casada, decidi engravidar, e Deus me enviou um anjo: MAria Beatriz.
    Sucesso amigo!

    ResponderExcluir
  10. Olá acessei seu blog através de informações de amigos. Só tenho a parabeniza-lo por esta iniciativa. Meu nome é Peterson Garcia, sou deficiente visual, conselheiro do Conselho Estadual dos Direitos da Pessoa com Deficiencia do MS (CONSEP), estamos junto na mesma luta.
    Meu blog é voltado para informação da Pessoa com Deficiencia tb.
    Contato> http://tecnoms.blogspot.com

    ResponderExcluir
  11. A Ladrical Ladrilhos Hidráulicos de Campo Grande/MS preza pela acessibilidade, somos parceiros nesta idéia, contem conosco. Visitem nossa página no facebook wwww.facebook.com/ladrical

    ResponderExcluir