11 de jan de 2011

Entrevista com Lesado Medular: Renildo Dias de Oliveira

Acessibilidade na Prática: Segundo  a NBR 9050, segunda edição válida a partir de 30/06/2004, a “acessibilidade” é definida como a possibilidade e condição de alcance, percepção e entendimento para a utilização com segurança e autonomia de edificações, espaço, mobiliário, equipamento urbano e elementos, e ser “acessível”, segundo a norma, é o espaço, edificação, mobiliário, equipamento urbano ou elemento que possa ser alcançado, acionado, utilizado e vivenciado por qualquer pessoa, inclusive aquelas com mobilidade reduzida. O termo acessível implica tanto acessibilidade física como de comunicação. A partir destes conceitos teóricos, explique de maneira prática o que é acessibilidade para você.

Resposta: Acessibilidade é aquilo que só entendemos depois que passamos a necessitar pessoalmente, através de um familiar ou ente querido. Quando eu “andava”, lia ou ouvia dizer sobre este termo "acessibilidade". Hoje, luto para que as pessoas o conheçam enquanto novas, porque não desejo que ninguém passe pelo que passei, mas desejo que todos vivam muito e vivendo muito irão envelhecer, envelhecendo vão precisar da acessibilidade.

Acessibilidade na Prática: Existiu algum evento no qual a tentativa de tornar um ambiente acessível acabou gerando um maior desgaste físico na sua rotina?

Resposta: Sim! Frequento um prédio que tem uma escada no hall de entrada. Para meu conforto, mandaram construir uma rampa e adivinhem! Construíram um par de trilhos! Além de super perigoso, só passava as rodas de trás da cadeira e custaram incríveis R$ 1.200,00. Vejam nas fotos abaixo:




Acessibilidade na Prática: A partir deste evento, quais providências foram tomadas para melhorar a sua acessibilidade? E você, as considerou úteis?

Resposta: Eu reclamei, como não podia deixar de fazê-lo. Ameacei chamar os jornais locais e a rampa foi refeita, desta vez inteiriça.

Acessibilidade na Prática: A questão de ser dependente atrapalha a rotina de muitos deficientes físicos. No seu caso, qual fator você considera minimizar este impacto?

Resposta: Dirigir e ter veículo próprio, porque ser cadeirante e depender de transporte publico é o fim da picada.

Acessibilidade na Prática: A questão da acessibilidade, embora muito discutida, é pouco utilizada em nosso cotidiano. Na sua cidade (Belo Horizonte - MG), você já conseguiu alguma mudança significativa para melhorar o ir e vir de pessoas com deficiência? Como?

Resposta: Sim. Na construção do último shopping, conseguimos a instalação de banheiros adaptados em separado (masculinos dos femininos). Todavia, a luta maior é pelo rebaixamento das calçadas e fiscalização das vagas destinadas às pessoas com deficiência.

Acessibilidade na Prática: Mande um recado para as pessoas que ainda não compreenderam o que é Acessibilidade na Prática.

Resposta: Nobres cidadãos, eduquem seus filhos, respeitem as vagas demarcadas, respeitem os assentos em transportes públicos, promovam a acessibilidade em suas construções, empresas e casas, empreguem os deficientes e ajudem apenas quando a ajuda for solicitada. Feliz 2011 e sejam muito felizes!


Renildo Dias de Oliveira - Cadeirante - Belo Horizonte - MG

Por Maria Alice Furrer Matos - Fisioterapeuta

17 comentários:

  1. Parabéns por mais uma iniciativa do Acessibilidade na Prática! A entrevista de quem sente na pele o que é enfrentar "obstáculos" na vida nos faz refletir muito mais a respeito. Abraços!
    Ronny Stward

    ResponderExcluir
  2. Muito boas as matérias, estão de parabéns.

    ResponderExcluir
  3. Oieeeeee Fred e a toda a equipe da Acessibilidade na Prática!
    Parabéns por mais um post super informativo que faz a gente parar e relfetir sobre o desafios da acessibilidade e assim buscar soluções para melhor qualidade de vida de todos.
    Abraços
    Renata Cox

    ResponderExcluir
  4. Olá querida colega! Estás de parabéns pela entrevista, bem objetiva e prática, como tem sido todos os posts do blog. Já vou compartilhar pelo twitter e pelo facebook. Contem comigo sempre!
    abraço fraterno

    karla siqueira
    (FISIOTERAPEUTA)

    ResponderExcluir
  5. Mais uma historia de quem passou a ver a vida sobre rodas do dia pra noite!!! Infelizmente precisou isso para o rapaz entender o termo acessibilidade.

    ResponderExcluir
  6. Parabéns por sua iniciativa Maria Alice.

    É através de gestos como este que podemos alcançar uma maior compreensão e conscientização dos problemas enfrentados pelas pessoas portadoras de necessidades especiais e, desta forma, contribuirmos para a construção de uma sociedade mais inclusiva.

    Um abraço,

    Daily

    ResponderExcluir
  7. Parabéns, mais uma vez, pela matéria.
    Como disse ontem pra vc, tenho aprendido muito com o blog.
    Beijos...

    ResponderExcluir
  8. Oi Maria Alice!!!

    Parabéns pelo blog, muito interessante, e uma atitude admirável! E pelo visto estão com uma equipe de peso! Vou fazer um twitter para ficar mais atualizado, e seguirei vcs tb!!

    Bjs,
    Guilherme

    ResponderExcluir
  9. Olá pessoal!

    Com certeza teremos muitos relatos de experiência de pessoas com deficiência aqui no blog. Eu, como muitos outros cadeirantes, sei muito bem como é difícil encarar o mundo após perder movimentos importantes do corpo. Além das sequelas físicas, ficam muitas sequelas psíquicas, obrigando-nos a fazer tratamentos inclusive com fortes medicamentos. O que não podemos, como cadeirantes, é ficarmos revoltados com as pessoas e achar que o mundo inteiro está contra nós, ainda mais se abraçamos a causa de melhoria da acessibilidade.

    Se declararmos guerra contra tudo e contra todos, aí sim não conseguiremos nada. Mesmo sendo cadeirante, me coloco muito no lugar dos donos de estabelecimento, por exemplo, pois a falta de informação é muito grande, além da falta de vontade, claro.

    Antes de mais nada, usemos o diálogo e a articulação entre os interessados, para depois partirmos para a "ignorância".

    Parabéns, Renildo!

    Abraços a todos!!!

    ResponderExcluir
  10. Olá Pessoal!!!

    Muito obrigado à todos que comentam, participam e divulgam o blog!!! Mas espero que todos possam entender o objetivo do blog, e para isso leiam e guardem as palavras do comentário acima. O Fred conseguiu explicar claramente o que realmente devemos buscar quando o assunto é acessibilidade!!!!

    Parabéns Fred!!

    Bjssss

    ResponderExcluir
  11. É verdade, com esperança e paciencia tudo se resolve,tudo tem que ser pranejado, para dar certo. abraço..

    ResponderExcluir
  12. Senhores do blog, o nome correto é Renildo Dias de Oliveira, podem corrigir?

    Obrigado

    ResponderExcluir
  13. Renildo, desculpe-me pela gafe. Seu nome está corrigido.

    Abraços e obrigado pela colaboração!

    ResponderExcluir
  14. Oi, deixei um selinho para você no meu Blog. Blogs legais devem ser recomendados. Passe lá para conferir:

    http://estardeficiente.blogspot.com

    ResponderExcluir
  15. Adorei seu BLOG, parabéns pela matéria.
    http://rafabombo.blogspot.com

    ResponderExcluir
  16. Excelente matéria!!! Não basta apenas ouvir falar sobre acessibilidade e sim a compreender de forma que possamos mudar o ambiente em que vivemos. Educar nossos filhos, nos educar. Como disse Renildo as pessoas devem conhecer enquanto novas o termo acessibilidade...Todos queremos viver muito e envelhecendo vamos também precisar de acessibilidade!!! Esse blog esta mexendo com certeza com as pessoas...Impressionante como estamos mais criticos e observadores quando saímos às ruas, notando se o ambiente é acessível a todos ou não. Comentar com o dono do estabelecimento as melhorias, não estacionar em vagas de portadores se não o é, enfim pequenos gestos fazem a diferença!!! Vamos que vamos melhor a cada dia o lugar em que vivemos :)

    Abraços :* Fiquem com Deus!!!

    ResponderExcluir
  17. Verdade!! Antes do acontecido com meu amigo não tinha o costume de reparar. Hoje em todos os lugares que vou fico imaginando como seria se ele estivesse junto. O principio de tudo é a educação,difícil não é educar as crinças e sim conscientizar os adultos!!!!!

    ResponderExcluir