7 de fev de 2011

04/02/2011 - Passeio x Acessibilidade na Feira Central

A Feira Central de Campo Grande, fundada em 04/05/1925, é um dos principais pontos turísticos da cidade. Inicialmente, foi instalada na Avenida Afonso Pena, funcionando aos sábados das 08:00h às 16:00h.

Em 22/04/1927, um decreto alterou o seu horário de funcionamento, passando para às quintas-feiras e domingos, das 06:00h às 10:00h. No mesmo dia, outro decreto transferiu a Feira para a Rua Pandiá Calógeras e, mais tarde, para a Rua Antônio Maria Coelho.

Em 10/02/1966, a Feira Central foi transferida para as Ruas José Antônio e Abrão Julio Rahe. Seu progresso foi eminente e tomou conta também da Rua Padre João Crippa.

Por fim, no dia 16/12/2004, a Feira é transferida para a Explanada da Ferrovia, onde mantém   a história e preserva todas as culturas e tradições que sucederam ao longo dos anos.

(Fonte: http://www.feiracentralcg.com.br)

Nós, do Blog Acessibilidade na Prática, fomos dar um passeio neste local tão agradável e cheio de atrações, porém, observando se “qualquer pessoa” pode desfrutar desse lugar.


Estacionamento - Vagas Reservadas

- Presença de vagas reservadas para deficientes físicos, localizadas em rotas acessíveis à entrada da Feira Central; ✔

- Todas as vagas reservadas para deficientes estão com um cone, localizado no meio da vaga (se o deficiente estiver dirigindo o veículo, terá dificuldade para retirar o cone); ✘

- A vaga apresenta o símbolo de acessibilidade na sinalização horizontal, porém não apresenta demarcação (faixas amarelas) do espaço adicional; ✔/✘

- Ausência da sinalização vertical em espaço interno (a placa que indica que o estacionamento é reservado para veículos autorizados); ✘

- Constatamos, apesar de não ser visível nas fotos, que nenhum outro veículo apresenta o adesivo de acessibilidade, nem autorização para ocupar a vaga de deficientes. ✘


Acessos

Acesso via estacionamento (I)

- A rota entre o estacionamento e esta entrada não apresenta sinalização auditiva, tátil e visual; ✘

- Toda superfície apresenta uma série de irregularidades (observem os trilhos do lado direito do cadeirante); ✘

- Presença de obstáculos que oferecem risco à segurança, não apresentando sinalização tátil de alerta (no canto direito da foto aparece o meio fio, a seguir aparece as placas de metal amarelas e, mais à esquerda, as hastes pequenas acopladas ao chão); ✘

- Apesar de não ser visível na foto, a largura da entrada é satisfatória, atendendo ao número de pessoas que circulam na área. ✔


Acesso via estacionamento (II)

- Desnível na transição entre o estacionamento e entrada, sem sinalização tátil, visual ou sonora (observem a curvatura que o desnível provoca no pé, sendo necessário um apoio na parte posterior da cadeira de rodas para evitar uma possível queda); ✘

- Não havia piso tátil direcional ou guias de balizamento indicando a direção e localização do trajeto entre o estacionamento e a entrada; ✘

- Piso irregular, gerando trepidação na cadeira de rodas; ✘

- Entrada, novamente, sem sinalização visual, auditiva e tátil (como um deficiente visual, por exemplo, identificaria esta entrada?). ✘


- Presença de rampa para acesso à Feira; ✔

- Fazendo referência à rampa que está logo atrás da cadeira, no canto direito da foto, onde um homem e uma criança estão. Esta rampa não apresenta nenhuma sinalização de mudança de nível e sua inclinação estava forte, oferecendo risco à segurança dos visitantes; ✘

- Em relação à rampa que o Fred está subindo, sua inclinação é satisfatória, apresentando patamares longitudinais no início, entre as duas rampas e no final, porém não apresenta sinalização; ✔/✘

- Ambas as rampas citadas não apresentam corrimão lateral nem guia de balizamento ou piso tátil direcional. Como um deficiente visual poderia identificar a mudança de direção das rampas até a entrada? Novamente risco à segurança, havendo possibilidade de quedas. ✘


Acesso via estacionamento (III)

- Novamente os trilhos, que geram trepidação na cadeira de rodas e não estão com sinalização de alerta tátil, visual ou sonora (isso pode causar o desequilíbrio, por exemplo, de um deficiente visual ou de uma mulher grávida, podendo causar até uma queda); ✘

- Esta entrada é mais alta em relação ao piso, como se fosse uma passarela, e não contém nenhum tipo de sinalização informando este desnível; ✘

- Presença de situações que envolvem risco à segurança, tais como: cesto de lixo (canto esquerdo da foto), hastes de madeira (o Fred está entre as duas) e nenhum destes possui piso de alerta tátil; ✘

- Novamente não há informação visual, tátil e sonora indicando a localização e direção da entrada; ✘

- Existe ainda uma IV entrada via estacionamento que não foi fotografada, mas é semelhante às demais.


Acesso Principal (Rua 14 de Julho)

- Via pública que dá acesso à Feira Central apresenta rebaixamento de calçadas no canteiro divisor de pistas; ✔

- Rebaixamento de calçadas do canteiro divisor de pistas não possui sinalização de alerta tátil para desnível, além de o piso ser irregular, causando trepidação na cadeira de rodas; ✘

- Os rebaixamentos das calçadas localizados em lados opostos da via estão alinhados entre si; ✔

- Ausência de sinalização informativa, indicativa e direcional da localização das entradas acessíveis; ✘

- Falta de sinalização tátil direcional, a qual deve ser utilizada em áreas de circulação na ausência ou interrupção da guia de balizamento, indicando o caminho a ser percorrido em espaços amplos. ✘


- Piso da calçada com superfície irregular, além de não apresentar piso tátil direcional; ✘

- Ausência de piso tátil de alerta, o qual deve ser utilizado em situações que envolvem risco de segurança (observem que na calçada existe poste de iluminação, corrimão e placas); ✘

- Presença de rebaixamento de calçada na esquina, porém não possui sinalização visual e tátil; ✔/✘

- Ainda no rebaixamento de calçada, o piso apresenta uma irregularidade que causa trepidação na cadeira de rodas. Observem na guia branca, ao lado da cadeira, uma descontinuidade, onde o piso está quebrado e com pedregulhos soltos. Imaginem como um cadeirante ou um deficiente visual, por exemplo, podem transpor este obstáculo sem o risco de queda? ✘


- Presença de rampa com corrimão para o acesso à Feira Central; ✔

- Toda a superfície da rampa apresenta irregularidades (observem as rachaduras), e também não há piso antiderrapante; ✘

- Falta de piso tátil de alerta, pois há mudança de nível do piso (observem no canto esquerdo da foto as escadas fixas e, no canto direito, a rampa, ambas não sinalizadas, colocando em risco a segurança dos visitantes da Feira Central); ✘

- Nas escadas fixas, não há sinalização tátil de alerta nem no início nem no término, e a mesma deveria ter cor contrastante com o piso; ✘

- É recomendável que os corrimãos de escadas e rampas sejam sinalizados com um anel de textura contrastante com a superfície do corrimão, além de sinalização em Braille, informando sobre os pavimentos no início e no final das escadas fixas e rampas, porém não havia nenhuma destas sinalizações citadas. ✘


- Largura da rampa proporcional e satisfatória para o fluxo de pessoas no local; ✔

- Ausência de guias de balizamento, as quais deveriam ser instaladas na lateral, nos limites de largura da rampa, pois a mesma não possui paredes laterais (Guia de Balizamento é um elemento instalado junto aos limites laterais das superfícies do piso, perceptível por pessoas com deficiência visual); ✘

- Presença de patamar longitudinal do início e término da rampa; ✔

- O piso inadequado e a inclinação da rampa tornam este acesso cansativo e arriscado para indivíduos com cadeira de rodas manual e demais pessoas com mobilidade reduzida (enquanto estávamos fotografando, a mãe de uma criança que utiliza andador relatou que é muito difícil para sua filha subir e descer esta rampa). ✘


- Após o acesso pela rampa ou escada, esta é a entrada principal da Feira Central, a qual possui largura suficiente para o fluxo de visitantes; ✔

- Piso irregular (observem os furos e as rachaduras) e desníveis que causam trepidação da cadeira de rodas (os trilhos da porta de correr: o primeiro causando uma deformação na roda dianteira da cadeira e o segundo a frente); ✘

- Não há piso direcional ou guias de balizamento, bem como piso de alerta tátil indicando os trilhos da porta de correr; ✘

- Toda a extensão da calçada, rampa, escada e entrada principal não apresentavam superfície antiderrapante. ✘


Acesso pela Rua Calógeras

- Entrada com identificação visual (porém com baixa legibilidade) e não há informação tátil nem auditiva; ✔/✘

- Estacionamento (externo) com piso de superfície lisa, irregular e instável, gerando trepidação na cadeira de rodas e oferecendo riscos; ✘

- Largura do acesso à Feira Central corresponde ao fluxo de visitantes; ✔

- Esta entrada fica em contato direto com a circulação de carros pelo estacionamento (observem a distância do Fred e os carros nas laterais); ✘

- Novamente falta da guias de balizamento ou piso tátil direcional. ✘


Sanitários

- Presença de sanitário reservado para deficientes físicos, localizado em rota acessível, próximo da circulação principal e dos demais sanitários;

- Símbolo Internacional de Sanitários Acessíveis incorreto, pois o mesmo é masculino e feminino acessível compartilhado;  

- Porta com vão livre satisfatório, permitindo a entrada da cadeira de rodas; maçaneta do tipo alavanca;

- Falta de informação tátil, indicando a rota e localização do sanitário acessível.

- Piso não atende as normas da NBR9050, pois não possui superfície antiderrapante;

- Localização das barras de apoio inadequadas: a lateral esquerda deveria ser instalada horizontalmente e sem inclinação, e a posterior deveria ser posicionada atrás da bacia sanitária horizontalmente, mas está na lateral e inclinada;

- Papeleira não embutida com localização inadequada, acima da barra de apoio lateral (este acesso ao papel higiênico deveria estar alinhado com a borda frontal da bacia sanitária, e não sem este recuo);

- Sanitário possui área de manobra para rotação de 180º.


- Lavatório não possui área prevista para aproximação frontal (as mãos do Fred não alcançam a torneira do lavatório, pois suas penas colidem na parte inferior da pia);

- O lavatório não é suspenso, onde o sifão e a tubulação deveriam estar afastados da borda frontal da pia no mínimo 25 cm, e serem protegidos por uma coluna suspensa ou similar;

- Torneira da pia não tem acionamento por meio de alavanca, sensor eletrônico ou outro dispositivo equivalente;

- Ausência de saboneteira, toalheiro, espelho e barras de apoio ao redor do lavatório.


Telefone Público

- Ausência de telefones acessíveis para cadeirantes e com amplificador de sinal;

- Apesar de o telefone não ser específico para cadeirantes, a área de aproximação garante posicionamento tanto frontal quanto lateral;

- A parte operacional superior do telefone não tem altura de instalação adequada (observem a inclinação cervical do Fred para ter o alcance visual do telefone);

- A instalação do telefone não é em suspensão, nem possui altura inferior de no mínimo 73 cm do piso acabado;

- O telefone, da forma como está instalado, é considerado um obstáculo suspenso e não possui sinalização tátil de alerta (um deficiente visual pode colidir contra a proteção superior do telefone);

- Ausência de instalação de telefone que transmita mensagem de texto (TDD), o qual deveria ser sinalizado.


Caixa Eletrônico

- Caixa eletrônico localizado em rota acessível;

- Caixa eletrônico não é acessível a pessoas com cadeira de rodas, pois não garante área de aproximação frontal e, conseqüentemente, impede o alcance manual frontal e lateral;

- Falta de sinalização tátil direcional e de alerta (para localizar o caixa e alertar a presença de obstáculo, respectivamente);

- Ao menos um caixa eletrônico deveria apresentar equipamentos acessíveis para providenciar instruções e informações visuais e auditivas ou táteis, com privacidade ao usuário (disponibilizando equipamentos de tecnologia assistiva, como fones de ouvido, por exemplo).


Balcões


- Balcão não garante área de aproximação frontal, pois não apresenta altura inferior livre;

- O alcance manual frontal está na posição máxima confortável, não sendo a altura recomendável;

- Baixa legibilidade das informações visuais. Deveria haver contraste entre a sinalização visual (texto ou figura) e a superfície sobre a qual ela está afixada ou impressa;

- Ausência de sinalização em Braille, a qual deveria estar posicionada abaixo dos caracteres ou figuras em relevo;

- Balcão localizado em rota acessível.


- Não é prevista área de aproximação frontal ao cadeirante, não sendo possível o acesso ao balcão;

- Novamente, baixa legibilidade das informações visuais e ausência de sinalização em Braille abaixo dos caracteres;

- Alcance manual frontal e lateral não são permitidos, devido altura excessiva do balcão e pela falta da área de aproximação frontal (recuo inferior do balcão);

- Ângulo de alcance visual excessivo, dificultando a visibilidade da placa (observem a altura da placa e a inclinação cervical do Fred);

- Não há sinalização tátil direcional para localização do balcão.


Área de circulação intena

Lojas

- Área de circulação interna satisfatória para o fluxo de visitantes da Feira Central;

- Superfície do piso da área de circulação interna, entre as lojas da Feira Central, é regular, firme e estável, porém não apresenta superfície antiderrapante; /

- Em toda a área de circulação entre as lojas não há piso tátil direcional ou guias de balizamento;

- As lojinhas da Feira Central não possuem um padrão e não são acessíveis (os balcões não permitem área de aproximação frontal e lateral, o alcance visual é dificultado em algumas lojas e, as que permitem o acesso ao seu interior, não possuem área de manobra para rotação de 180º);

- Ausência de planos e mapas táteis (superfícies horizontais ou inclinadas contendo informações em Braille, instaladas à altura entre 0,90 m e 1,10 m).


Restaurantes

- Piso irregular em toda a sua extensão, causando trepidação na cadeira de rodas (observem a quantidade de rachaduras);

- Área para circulação dos visitantes permite livre passagem;

- Falta de piso tátil direcional e de alerta (Como um deficiente visual poderá guiar-se neste amplo espaço? E notem a quantidade de obstáculos oferecendo risco à segurança e que não estão sinalizados);

- Balcões na lateral esquerda da foto demonstram que não há área de aproximação frontal para cadeirantes. O alcance visual também não está adequado, assim como o alcance manual frontal e lateral.


Restaurantes e Lanchonetes

- Todos os restaurantes e lanchonetes da Feira Central possuem o mesmo padrão, com a mesma disposição das mesas, e estas não são acessíveis à pessoas cadeirantes por não preverem aproximação frontal (notem a altura da mesa e a altura das pernas do Fred);

- Não existem cadeiras ou assentos adaptados para pessoas obesas;

- O corredor entre as mesas não oferece espaço suficiente para a circulação de cadeira de rodas, e também não há área de manobra para rotação de 180º;

- Ausência de sinalização tátil ou sonora para identificar a localização dos restaurantes.


Finalizando...

Indiscutivelmente, a Feira Central de Campo Grande é um lugar muito agradável de se visitar, onde campo-grandenses e turistas encontram entretenimento, cultura e boa gastronomia. Entretanto, o local não oferece condições adequadas para que "todas as pessoas" possam usufruir de todos os seus atrativos, pecando gravemente no que diz respeito à acessibilidade.

Os portadores de necessidades especiais representam um percentual considerável da população, sendo consumidores de produtos e serviços assim como os demais cidadãos. Portanto, não se trata simplesmente de caridade ou do cumprimento de uma lei, mas de um nicho de mercado a ser explorado.

Dessa forma, fica a nossa dica aos administradores da Feira Central, para que tratem com mais carinho as pessoas com deficiência e mobilidade reduzida.

Abraços e até a próxima!!!

- Da esquerda para a direita: Geovani, Léo Juno, Celina, Maria Alice, Vanessa, Ronny Stward e, na cadeira, Fred.


Análises: Maria Alice Furrer Matos (Fisioterapeuta)

Texto e postagem: Frederico Rios (cadeirante)

Fotos: Ronny Stward

17 comentários:

  1. Olá Pessoal,

    Antes de mais nada gostaria de falar que a cada visita aprendo mtooo sobre a acessibilidade na prática, um tema que engloba vários enfoques, e que tem grande repercussão na vida de muitas pessoas.
    Espero que cada vez mais, possamos conscientizar um montante maior de pessoas, garantido a liberdade e segurança de TODOS, ou seja, garantir a acessibilidade!!!
    Já mudei minha visão, espero que todos também passem a ter um novo olhar, para a entrada da padaria, supermercados, bares, lojas.... Vamos praticar ;)

    Parabénssss Acessibilidade na Prática!!!

    Bjssss

    ResponderExcluir
  2. Olá queridos promotores da saúde e informação.
    Sabe o que sinto cada vez que confiro os posts do blog?Que realmente todos estamos mal informados quanto o que é acessibilidade. São muitos detalhes, que só quem vive o dia a dia de um cadeirante, por exemplo pra saber; mas acho também que com mais informação, como a que obtemos com o blog, ficaria mais fácil entender e adaptar a vida diária à todos, indistintamente. Desde muito tempo convivo com as diferenças impostas por doenças, traumatismos, etc, por que sou filha de educadora especial( especialista em deficientes auditivos) e também por que sou fisioterapeuta, mas confesso que só agora, através das dificuldades que meu grande amigo Fred passa, é que tomo conhecimento de detalhes maiores e que pra ele não são detalhes, mas sim o básico. A fisioterapia é muito ampla e por causa das opções de uma das áreas, acabamos nos distanciando um pouco das necessidades que envolvem as demais.
    Maria Alice estás de parabéns, pelo trabalho e por estar ajudando com teu conhecimento meu amigo Fred e muitas outras pessoas, através do Blog. E Fred, bom o que dizer, senão parabéns pela força de viver, te admiramos cada dia mais, e conte conosco sempre.
    karla siqueira e familia

    ResponderExcluir
  3. Indiscutivelmente uma das melhores postagens e visitas em CG... com ctz! Parabens gente! Orgulho de fazer parte desse blog!

    ResponderExcluir
  4. Parabens pela postagem!

    Assim como todas as outras, serve para ver que a consciência está melhorando, pois já existem algumas estruturas (na Feira Central e em vários outros), mas a falta de preparo ainda é evidente, sobretudo em relação aos deficientes visuais.

    Para quem presta atenção nesses "detalhes" é revoltante, mas a verdade é que estas coisas não acontem apenas por má vontade, pois na maioria das vezes as intenções são boas, mas o despreparo, inclusive de engenheiros e arquitetos (com todo o respeito a estes profissionais) ainda é um grande obstáculo.

    Isto não acontece por desinteresse destes profissionais (pelo contrário, a maioria deles se preocupa com a acessibilidade), mas sim pelo fato de a formação deles não ser suficientemente voltada a esta questão.

    ResponderExcluir
  5. Olá Acessibilidade na Prática!!!! Excelente matéria. Um dos pontos turísticos mais visitados de CG cheio de coisas para serem melhoradas. Esperamos que esses relatos cheguem até as pessoas responsáveis para que revertam esse quadro e com isso torne a Feira-Central um ambiente aconchegante e acessível para todos.

    Abraços
    Vanessa Urias

    ResponderExcluir
  6. A cada post e visita aprendo vivenciando certas dificuldades de acesso enfrentada pelo meu amigo Fred. O projeto e a execução de uma obra, sendo ela pública ou privada de acesso público, é por lei fiscalizada quanto a sua acessibilidade, não?! Essa fiscalização realmente existe?! Em nosso dia-a-dia notamos que não. Nossa revolta quanto ao descaso tem que ter nome. Deixo aqui então uma sugestão para um Post futuro: Entrevistar o responsável/órgão por essas fiscalizações aproveitando também para postar a acessibilidade do local.

    Parabéns por mais um excelente Post! Abraço!

    OBS: Os próximos Post's promete fotos melhores!

    ResponderExcluir
  7. Oie Querido Fred!
    Estava curiosa sobre sua análise a famosa Feria Central de Campo Grande. Fiquei aqui chocada com a falta de estrutura adequada para todos poderem ter o direito de realmente aproveitar o passeio tranquilamente sem passar por nenhuma dificuldade.
    Gostei da sugestão do Ronny Stward de entrevistar o responsável por essas melhorias.

    Super parabéns pela iniciativa e pelo ótimo post!
    Fred, já pensou em fazer Jornalismo? Acho que você leva jeito para coisa...

    Beijos
    Renata Cox

    ResponderExcluir
  8. Parabéns por mais essa matéria!
    Realmente tem muita coisa para ser mudada e você com sua equipe estão tornando muita coisa possível.
    Concordo com a Renata. Deve pensar sobre o assunto. Leva jeito para jornalismo.
    Continuem com esse trabalho.
    Beijosss...

    ResponderExcluir
  9. Parabéns pela matéria, está excelente, estou aprendendo muito com as informações que vcs passam, e realmente a Feira Central, mesmo sendo um lugár muito agradável para passear, pecou muito em relação à Acessibilidade, e em vários outros fatores também, como conforto, limpeza dos banheiros, a saída do estacionamento e até falta de estrutura em algumas barraquinhas de comida, etc...
    Sobre a matéria, esta tem detalhado minuciosamente todos os aspectos que englobam o assunto Acessibilidade, muitos despercebidos aos nossos olhos.
    Beijoss e Parabéns novamente à toda a equipe!

    ResponderExcluir
  10. Imaginava que a Feira Central de fato não era muito acessível, mas é pior do que imaginava!
    Aparentemente os banheiros e rampas foram feitos apenas para diminuir o peso na consciência dos responsáveis pela construção e não para tornar a feira central e nenhum outro local público acessível.
    Posso estar enganada mas já que algo deverá ser construído, que seja bem feito!
    Parabéns aos envolvidos nesta empreitada!

    ResponderExcluir
  11. Olá!
    Vcs estão de parabéns pela matéria. Deveria haver uma lei que obrigasse construtoras e responsáveis por montar grandes estruturas como essa a ter deficientes físicos, surdos, cegos, etc em seu quadro de funcionários no mínimo como consultores. Ninguém conhece um vereador por aí que a quem possa dar a ideia, não? E uma perguntinha: Vcs enviaram esta análise com as fotos à Administração da Feira? Abraços a todos.

    ResponderExcluir
  12. Olá, parabéns pelo blog e pela matéria. Muito legal que a acessibilidade saia do papel e seja vista de forma prática, nos ajuda a compreender o que de fato é necessário e não apenas estarmos presos às normas. Só queria acrescentar uma coisinha, se é que posso diante dessa matéria tão completa, mas enfim: os pilares e até mesmo as lixeiras daquela foto na parte de "Lojas" não precisam ter piso tátil de alerta no seu entorno, pois os obstáculos com, no mínimo, 60cm de altura podem ser rastreados por uma bengala, dando condições do cego não esbarrar com eles =) E, Andréa, existem leis que garantem a acessibilidade, o problema é a fiscalização, mas esse blog e todas as outras iniciativas é o que pode fazer essa fiscalização acontecer, assim que vamos melhorando. Mais uma vez, parabéns pessoal. Abraços.

    ResponderExcluir
  13. Apesar de muitos acessos inadequados,acho importante detacar que graças a espaços como este muito ja foi conquistado, se formos analisar a antiga feira centrar de cg a situaçao era muito mais precaria.
    Parabens pelo blog, muito detalhado e ilustrativo.

    ResponderExcluir
  14. Excelente!! Pontos turisticos de nossa cidade olhados de um outro angulo, importantissimo.. Espero que a cada postagem possamos divulgar e fazer a população atentar-se para o assunto.. não esperemos necessitar para fazer!! Dizem que só quem sente na pele provoca mudanças.. Não quero acreditar nisso!! a mudança tem q ser de cada um e diária.. Façamos a diferença!!

    ResponderExcluir
  15. Olá seguidores!

    Algumas observações:

    - Larissa, suas contribuições foram muito válidas. Já fizemos as devidas correções. Muito obrigado!

    - Marjorie, você tem toda razão! Temos que ressaltar também as melhorias, por isso tentamos ser imparciais ao máximo. Só quem realmente conhece a história da Feira Central sabe da sua importância para Campo Grande e como sua estrutura já melhorou. Obrigado por comentar!

    Obrigado por todos os comentários! Participem sempre!

    Abraços!!!

    ResponderExcluir
  16. Tem tanto X nas avaliações que até desanima ler!!! Se alguem for pelos X deixa de ir... Mas conheço bem o lugar, e realmente o acesso até a feira deixa muito a desejar!!!

    Mas o importante é fomentar, conscientizar, para que as próximas gerações usufruam dessas reivindicações!!!

    Abraços!!!

    ResponderExcluir
  17. Olá, Minha foto

    Frederico Rios.

    Parabens pelo seu blog.meu nome é Elton Britto, sou o criador do BLOG NOVA VIDA e dedico meu tempo garimpando informações para poder ajudar meus amigos e seguidores deste blog. Não nasci com deficiência, mas fiquei deficiente em um acidente de mergulo onde fraturei a C4,C5, e C6, deixando-me tertraplegico.

    Divulga meu blog ai na sua lista que vou add o seu na minha lista.

    http://eltonpires.blogspot.com/

    Abraço amigo.

    ResponderExcluir